Monitoramento Das Redes Sociais

Com­par­til­he Esse Arti­go!
  • 4
  •  
  •  
  •  
  •  
    4
    Shares

 

 

Como já indicamos antes, não existe pri­vaci­dade nas redes soci­ais. No entan­to, mil­hares de brasileiros ain­da con­tin­u­am usan­do o What­sApp, YouTube e Gru­pos no Face­book para se infor­mar e dis­cu­tir como vão residir por lon­go pra­zo — ao invés de faz­er tur­is­mo tem­porário — e tra­bal­har (ile­gal­mente) em sub-empre­gos e “bicos” nos Esta­dos Unidos. Ate mes­mo o Uber e out­ras empre­sas pre­cisam revis­ar o que estão per­mitin­do e fazen­do em ter­mos de con­tribuição a tra­bal­hos que vio­lam as leis do pais.

Fazem per­gun­tas tais como:

  • Como e o mer­ca­do de tra­bal­ho para isso ou aqui­lo em…?”
  • E difí­cil pegar emprego em…?”
  • To chegan­do tal dia, onde arru­mo emprego?”

Ago­ra imag­ine quan­do você chegar no aero­por­to de Mia­mi e pedi­rem seu celu­lar e passá-lo numa máquina, que checaria seu históri­co dig­i­tal para análise? Ou se as ban­deiras ver­mel­has já estivessem pre­sentes no com­puta­dor do agente de imi­gração assim que seu pas­s­aporte for escanea­do?

Resul­ta­do…

  • Entra­da per­mi­ti­da
  • Con­duzir entre­vista na “sal­in­ha”
  • Negar entra­da e retornar para o pais de origem

O DHS tam­bém plane­ja, de acor­do com ziontechgroup.com.br, fornecer dados “pub­li­ca­mente disponíveis de infor­mações obti­das da world-wide-web, reg­istros públi­cos, insti­tu­ições públi­cas, entre­vis­ta­dos, prove­dores de dados com­er­ci­ais e infor­mações obti­das e divul­gadas de acor­do com os acor­dos de com­par­til­hamen­to de infor­mações “. De acor­do com a Buz­zFeed, esta práti­ca de vig­ilân­cia tam­bém pode­ria poten­cial­mente var­rer dados em qual­quer pes­soa que se comu­nique com um imi­grante dos EUA.  — Grupo Elo.

Alguém que faz per­gun­tas inde­v­i­das que refletem intenções out­ras além de faz­er tur­is­mo,  se expon­do online, fica igual o indi­vid­uo que da um tiro no próprio pé…

O que faz­er? 

  • Sim­ples­mente pare com essa ideia de “tirar dúvi­das” nas redes soci­ais, no What­sApp, Mes­sen­ger, YouTube ou Skype, sobre assun­tos que sug­erem intenção de ile­gal­i­dade depois de entrar no país.
  • Pare de for­mar  ou par­tic­i­par de gru­pos de aju­da sobre como “se virar” e no fim acabar se impli­can­do.
  • Pare de cri­ar vídeos que incen­tivem, dire­ta ou indi­re­ta­mente, a pre­sença ile­gal de tur­is­tas cujos vis­tos não per­mitem esta­dia per­ma­nente ou tra­bal­ho legal.
  • Pare de cri­ar ou delete gru­pos onde a maior parte das infor­mações se ref­er­em a como tra­bal­har ou per­manecer ile­gal­mente no pais!

Se você não sabe como se tornar total­mente anon­i­mo online, então cuida­do com sua nar­ra­ti­va nas redes soci­ais.

Alem dis­so, pes­soas que ficam con­tribuin­do a imi­gração ile­gal com ofer­tas de tra­bal­ho, aco­modações, abri­go, incen­tivos, ou lucran­do inde­v­i­da­mente de estrangeiros os quais sabem quem vão inten­cional­mente vio­lar as leis de imi­gração, tam­bém estão se arriscan­do.

Hipótese: Assim que as evi­den­cias forem cole­tadas e hou­ver sub­stan­cia para acusação de con­tribuição a ile­gal­i­dade você pode dançar mais que o Fred Astaire  a par­tir 2018. 

 

Você que acha que esta fazen­do o tra­bal­ho de Deus con­tribuin­do e apoian­do aspec­tos da imi­gração ile­gal?  Exem­p­los: for­mação de gru­pos no What­sApp, Face­book  e YouTube sobre con­tornos, jeitos, méto­dos, o que diz­er para pas­sar nos por­tos, onde morar antes ou depois do pra­zo estip­u­la­do no I-94, abri­go de pes­soas com vis­tos expi­ra­dos em sua casa ou aparta­men­to, ofer­tas de tra­bal­ho não autor­iza­do.

Você arrisca ser acu­sa­do de con­tribuição ao prob­le­ma ou ate mes­mo de for­mação de quadrilha com o intu­ito de “aid e abet” imi­grantes ile­gais no pais.

Pense bem, você sabe que ninguém deve tra­bal­har no pais com vis­to de tur­ista. Isso não e opção. E’ lei. Você sabe que ninguém pode tra­bal­har com vis­to de estu­dante fora das regras estip­u­ladas. Isso tam­bém não e opção, e’ lei.

E se você par­tic­i­pa, incen­ti­va, edu­ca ou sim­pa­ti­za e pro­move acoes que lev­am indi­ví­du­os a que­brarem a lei, você se tor­na cúm­plice e dev­i­do as suas acoes den­tro ou fora de Inter­net, as autori­dades tem muito mais tra­bal­ho em exe­cu­tar suas funções.  Você acha que isso pas­sa desaperce­bido e não tem con­se­quên­cias?

Não existe nada que jus­ti­fique incen­ti­vo a que­bra da lei. Ignorân­cia não pode ser usa­da como des­cul­pa ou defe­sa na corte. Seu Green Card pode ser reti­ra­do a qual­quer hora.  Ouça os con­sel­hos dos advo­ga­dos de imi­gração, eles já fiz­er­am as pesquisas.  Você ja viu algum advo­ga­do incen­ti­van­do imi­gração ile­gal ou fornecen­do aju­da escon­di­da a quem esta que­bran­do as leis? A função do advo­ga­do, den­tro da lei, e’ edu­car e mostrar os cam­in­hos para legal­iza­ção e, quan­do pos­sív­el, evi­tar depor­tações usan­do clausu­las legais para cada caso.

Se você esta fora de sta­tus ou ile­gal no pais e ain­da assim pro­move videos no YouTube, os mes­mos podem ser usa­dos como evi­den­cia con­tra você. Abrindo gru­pos no Zap para aju­dar pes­soas a even­tual­mente que­brarem a lei?

Depois não reclame que não sabia.

Não fique  tran­qui­lo só porque tem cidada­nia. Voce fica  sujeito a ser impli­ca­do se estiv­er con­tribuin­do dire­ta ou indi­re­ta­mente ao incen­ti­vo para pes­soas 1) virem para o pais, 2) ficarem ile­gais e 3) a arru­marem empre­gos não autor­iza­dos.

Ain­da assim, se acu­sa­do, você arrisca uma revisão de seu casa­men­to com americano(a) e como você obteve seu Green Card.

Pesquise. Se tiv­er duvi­das, con­sulte os vários advo­ga­dos de imi­gração que falam por­tuguês. 

Por out­ro lado, se você incen­ti­va as pes­soas a cumprirem as leis imi­gratórias e a ficarem den­tro do pra­zos e ter­mos de seus vis­tos, você se tor­na parte da solução e não parte do prob­le­ma imi­gratório no pais.

 

 

Sua Opinião?